BONITO / MS

31�

21�

quarta, 20 de outubro de 2021

quinta, 26 de agosto de 2010

Aniversário do Pq. Nacional S. Bodoquena

Parque Nacional da Serra da  Bodoquena – FELIZ ANIVERSÁRIO!

21 de setembro de 2005, além de ser o Dia da Árvore, é também comemorado o 5° aniversário de criação do Parque Nacional da Serra da  Bodoquena, que possui área 77.232 hectares englobando parte dos municípios de Bonito, Jardim, Bodoquena e Porto Murtinho. É a única-unidade de conservação federal de proteção integral implantada no estado de Mato Grosso do Sul até o momento.

Como forma de homenageá-lo, seguem algumas informações sobre a importante expedição científica realizada recentemente na área. Para saber mais sobre o Parque, acesse a coluna do geólogo Paulo Boggiani em   http://www.portalbonito.com.br/colunas/paulo.asp

Foi realizada, entre 29 de agosto e 11 de setembro, a primeira expedição científica ao Parque Nacional da Serra da Bodoquena, em Mato Grosso do Sul. Um grupo formado por 25 pesquisadores permaneceu na Unidade de Conservação para desvendar a riqueza da região. A metodologia para se fazer o inventário de espécies da unidade foi a Avaliação Ecológica Rápida, ferramenta que permite o levantamento de informações em um curto espaço de tempo.

"Em uma área pouco conhecida como a Serra da Bodoquena, tais informações não só enriquecem o conhecimento teórico como contribuem para o zoneamento do Parque. Esse foi o primeiro grande levantamento realizado na região, podendo ser consultado futuramente por pesquisadores e ainda servir de subsídios para a educação ambiental das comunidades locais", explica Ivan Salzo, analista ambiental do Ibama.

Quatro locais do Parque Nacional foram estudados: região do rio Salobrinha/Assentamento Canaã, no município de Bodoquena (MS); área do curso médio do Salobra, dentro do Parque Nacional (fazendas Remanso e Santa Laura Vicunha, em Bodoquena;  região do banhado do Perdido/Laudejá, em Bonito e Porto Murtinho; e área da fazenda Harmonia, em Bonito e Porto Murtinho.

Espécies e conservação

A expedição quantificou e qualificou as espécies dessas áreas, a fim de obter informações relevantes a respeito da ecologia da região protegida pelo Parque. Para isso, os pesquisadores foram divididos em sete categorias: avifauna (aves),  ictiofauna (peixes), herpetofauna (répteis e anfíbios), mastofauna (mamíferos), macroinvertebrados aquáticos, vegetação terrestre e vegetação aquática.

Além de observar as espécies, os grupos também avaliaram o estado de conservação da unidade e fizeram uma análise descritiva do ambiente e suas relações naturais. Salzo informa que isso pode ser feito a partir de deduções. "Algumas espécies podem indicar se a área está bem ou mal conservada".

A próxima avaliação no Parque deverá ocorrer entre dezembro de 2005 e janeiro de 2006, na estação chuvosa da região. Assim, por meio de comparações das coletas de informações em épocas distintas, será possível desvendar os diferentes hábitos entre as espécies de animais.

Plano de manejo

Esse trabalho faz parte das diretrizes do plano de manejo do Parque Nacional da Serra da Bodoquena (equivalente a um plano diretor),  que está em fase de elaboração. "Pesquisar as espécies que habitam uma região é imprescindível para se conhecer sua biodiversidade. A partir desse estudo será possível conciliar o uso público, a conservação e os demais objetivos de uma unidade de conservação sem que haja atrito entre esses elementos", esclarece Salzo.

Além de técnicos do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), a expedição contou com o apoio financeiro da Fundação Neotrópica e participação de pesquisadores da Conservação Internacional, Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Universidade Católica Dom Bosco, Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal) e Universidade de São Paulo. A iniciativa tem o apoio logístico da 4ª Companhia de Engenharia e Combate Mecanizado de Jardim, unidade do Exército de Jardim (MS).

Resultados preliminares relativos ao inventário de aves contabilizaram cerca de 255 espécies ocorrendo na área do Parque, das quais aproximadamente 30 são novos registros para a região, que agora conta com mais de 350 espécies de aves catalogadas.

(Texto adaptado a partir de notícia publicada em 29 de agosto de 2005
pela Conservação Internacional - Brasil)

COLUNISTA

Daniel De Granville

daniel@portalbonito.com.br

Daniel De Granville, Biólogo formado pela USP e pós-graduando em Jornalismo Científico pela Unicamp, reside em Mato Grosso do Sul desde 1994, onde tem se dedicado ao ecoturismo e à fotografia de natureza. Seu site pessoal é www.fotograma.com.br, e o dia-a-dia do seu trabalho pode ser conferido em www.fotogramablog.blogspot.com.

COMENTÁRIOS

Site desenvolvido por: